Peugeot 208 contra rivais. Este campeonato tem novo candidato!…

quinta-feira, 06 de fevereiro de 2020 Turbo Marco António Turbo

O campeonato do segmento B tem um novo player, chama-se Peugeot 208 e tem como adversários um enorme plantel do qual sobressai o Renault Clio, uma novidade que só perdeu para o 208 no prolongamento.

Esta luta pelo campeonato do segmento B tem sido uma constante entre os dois modelos franceses, ainda que dos cinco modelos mais vendidos façam parte também o Nissan Micra, o VW Polo e o Citroen C3.

Hoje não há nenhum construtor que não mantenha uma forte representação nesse campeonato tão disputado. Das marcas presentes neste regresso aos comparativos diretos, três preparam-se para apresentar SUVs importantes.

É o caso da Renault com a nova geração do Captur, da Peugeot com o 2008 e a Nissan com o Juke. Todos eles partilham com os seus irmãos do segmento B bastantes elementos a começar pela plataforma, motores e transmissões e um visual que chama a atenção.

Estética – Porque o olhar é o primeiro a decidir

Segundo estudos recentes, o público europeu continua a colocar como primeira motivação de compra o visual e os técnicos da Peugeot sabem isso, a prova são as mais recentes gerações da marca do leão.

O 208 não foge à regra e apresenta um design capaz de gerar uma grande empatia junto dos potenciais clientes.

O mesmo acontece com o novo Clio que sofreu recentemente uma reformulação profunda, ainda que do ponto de vista exterior as semelhanças com o seu antecessor sejam grandes por continuar a ser uma escolha com enorme sucesso.

Do ponto de vista visual não há dúvidas que as atenções recaem sobre estes dois modelos. Eles são as estrelas deste campeonato, com o Peugeot a distinguir-se pela diferença das soluções apresentadas com destaque para a enorme grelha frontal, para as óticas com luzes de LED, uma opção que se estende à parte traseira onde tem a mesma assinatura do 3008 ou do 508.

Interior – Renault Clio é o mais espaçoso

Curiosamente, o 208 tem o mesmo comprimento que o Renault Clio e que o VW Polo. Já a maior distância entre eixos pertence ao Clio, razão por que tem o maior interior dos cincos.

A habitabilidade do Peugeot 208 não evoluiu tanto assim pelo que o seu índice fica aquém da média deste segmento. Ele consegue ser o pior de todos e se o espaço para as pernas atrás até não é mau na largura à frente e atrás não faz grande figura pois é um dos mais acanhados da sua classe sendo claramente recomendável apenas para dois passageiros.

O mesmo se passa com a mala ao reivindicar somente 265 litros contra os 300 litros do Citroen C3 e Nissan Micra, os 391 litros do Renault Clio e os 351 litros do VW Polo.

Equipamento – a força da digitalização

Numa comparação entre conteúdos os melhores são claramente o Peugeot 208 e o Renault Clio.

Eles propõem os melhores sistemas multimédia e democratizam a informação digital com destaque para o 208 cuja nova geração da instrumentação i-cockpit introduz uma terceira dimensão (3D) a toda a informação disponível, uma novidade neste segmento, enquanto a Renault também já anunciou digitalizar toda instrumentação em 2020.

Os dois modelos franceses estão no domínio da multimédia e da digitalização num patamar superior com conteúdos que só encontramos em segmentos mais altos.

Motores – três cilindros é denominador comum

Com mecânicas muito semelhantes (os 3 cilindros são um denominador comum a todos) as prestações não andam muito longe uns dos outros, principalmente nas acelerações e na velocidade máxima.

O único que se destaca na velocidade máxima é o Citroen C3 por ter a versão PureTech de 110 cv e uma caixa de 6 velocidades em vez das cinco velocidades do Micra, do Clio e do Polo.

A menor relação peso/potência também joga a favor de algumas prestações, embora as diferenças não sejam muito significativas quer na aceleração dos 0-100 km/h quer nos 1000 metros.

Comportamento – leão de garras afiadas

Voltando ao comportamento dinâmico, um dos parâmetros que contribui para o bom desempenho do 208 é o seu baixo centro de gravidade e uma ligação ao solo mais pragmática que a do Clio, do Micra e do Polo.

A nova plataforma do 208 otimiza o funcionamento da suspensão como gere bem a intervenção das ajudas ativas. Ajudas que o Clio e os outros não dispensam.

As capacidades dinâmicas destes pequenos motores estão em consonância com os consumos anunciados e obtidos. A norma WLTP que cada um tem de cumprir não anda muito longe dos valores alcançados, passando-se o mesmo com as emissões de CO2.

Apesar do esforço em reduzir esta variável ecológica, ela ainda está longe da meta das 95 g/km e por isso perguntamos até que ponto é que estes modelos a gasolina contribuirão para esse objetivo no mix de vendas deste ano.

Preços – VW Polo consegue ser dos mais baratos!

No alinhamento de preços tivemos em conta não a versão do 208 equipado com a caixa automática mas sim a versão manual do mesmo motor.

Com este alinhamento verificamos que as propostas mais baratas são o Citroen C3 e o VW Polo enquanto os outros três alinham pelo mesmo diapasão com as diferenças a diluírem-se nos equipamentos propostos.

A vitória tangencial do novo Peugeot 208 deve-se à dinâmica demonstrada após prolongamento. Isto não significa que a liderança do segmento fuja facilmente do Clio ou que os clientes não continuem a preferirem a imagem de qualidade do VW Polo, a originalidade da carroçaria do Citroen C3 ou a fiabilidade do Nissan Micra.

Este website usa cookies para melhorar a navegação dos nossos utilizadores. Ao navegar no site está a consentir a sua utilização. Fechar ou Saber Mais